sábado, 12 de outubro de 2013

Minha Carta à Fran


Fran,

Acabei de ler uma "Carta  à Fran", onde tomei conhecimento do seu caso, e o modelo de carta me inspirou a escrever a minha também, porque o que eu tenho a dizer é um bocado diferente da Nathalia.

Numa história que parece se tornar cada vez mais comum, você e o seu namorado (ou o que seja) gravaram um vídeo durante o sexo, e esse vídeo, de alguma forma, "caiu na net". Como também tem se tornado comum, o que acontece em seguida é previsível. A internet se divide em dois grupos quase homogêneos - os que acham que foi "bem feito" e começam uma enorme campanha de bullying e os que acham que foi uma desgraça terrível na sua vida e iniciam campanhas de piedade e "apoio à Fran".

Se você está interessada em um humilde conselho de um ponto de vista diferente, aqui vai: Você deveria ignorar os dois grupos.


Apesar de estarem se digladiando e trocando farpas entre si na internet,os dois grupos estão partindo do mesmo ponto de vista - de que o seu comportamento sexual é algo feio, sujo e que deve ser motivo de vergonha. Uns querem te acusar, outros querem te proteger, mas ambos concordam que aquele vídeo mostra algo que você deveria encarar como humilhante e indigno.

Não aceite isso.

Você fez sexo. Você curtiu, você gostou. Não há nada de errado, humilhante ou indigno nisso. Pessoas vão fazer de tudo pra que você pense o contrário, vão fazer discursos e protestos, vão discutir culpados, vão olhar pra você apontando dedos acusadores ou olhares de piedade... não aceite nada disso. Não se rebaixe. Não se sinta humilhada, pois o que você fez não é errado, nem imoral, nem ilegal. O que você fez é sexo. É algo que todo mundo gosta, que todo mundo quer.

O que está feito, não pode mais ser desfeito. Você pode e deve levar à justiça o culpado por divulgá-lo, mas isso não vai mudar o passado. O vídeo está aí e, por mais que o resto do Brasil vá esquecê-lo semana que vem, você vai ter que conviver com isso por muito mais tempo. Seus amigos e vizinhos não vão esquecer. Seus inimigos, muito menos.

"Vista isso como uma armadura" - dizia Tyrion, o anão de Game of Thrones - "e o resto do mundo não poderá usá-lo contra você". O que aconteceu, não pode ser mudado. Mas se isso será uma muleta ou uma armadura, depende de você.

Liberte-se da culpa e da humilhação que ambos os lados dessa discussão estão tentando te impor.

"Eu sou uma mulher, eu gosto de sexo, eu tenho uma vida sexual e me orgulho disso".

Diga isso de cabeça erguida, sem medo, sem vergonha. Troque seu avatar para uma foto sua fazendo o mesmo gesto que virou meme. Dê risada com as piadas que forem boas, deboche de quem nunca experimentou sexo oral na vida e acha que é um bicho de sete cabeças. Vista isso como uma armadura. E ninguém poderá usá-lo como bullying contra você.

Denuncie quem publicou o vídeo, processe quem te hostilizar, arranque até o último centavo em indenizações de quem ousar te demitir ou praticar alguma discriminação por causa do vídeo ou da sua vida sexual. Mas faça isso de cabeça erguida, sem culpa, sem vergonha.

Não se submeta a nenhum tipo de inferiorização. Nem à da piedade.


6 comentários:

  1. é exatamente o que eu disse pra muita gente... nossa, é muito irritante ver o grau de imaturidade que as pessoas ainda têm em relação a isso

    ResponderExcluir
  2. Simples assim, quando se leva de forma leve, não há piada ou piedade que resista. Vida que segue.

    ResponderExcluir
  3. infelizmente uma pessoa na minha cidade recente se matou, se chamava julia rebeca, postaram o video dela transando saiu até no fantástico a noticia, gostaria que ela tivesse lido seu texto.

    ResponderExcluir
  4. Imbecis que fazem sexo e filmam devem ser zuados mesmo. Ninguém que zoa esses babacas e essas babacas está dizendo que sexo é feio, sujo ( é um pouco sim tanto que transmite várias doenças ) , e sim que são manés que são ou descuidados ou enganados por pilantras. Devem ser zuados sem limites. Devem ser apontados na rua e achincalhados por serem burros.

    ResponderExcluir
  5. Menos uma putinha nojenta no mundo.

    ResponderExcluir