quinta-feira, 21 de março de 2013

Onde Estão as Estatísticas da Violência Doméstica Contra Homens?


A imagem acima gerou bastante repercussão nas redes sociais.

Além de dezenas de compartilhamentos, além do previsível apoio incondicional de sites machistas/masculinistas, aconteceu, naturalmente, a igualmente previsível onda de ódio que aparece toda vez que alguém comete a heresia de questionar as verdades inquestionáveis do feminismo.

 Muitas pessoas comentaram furiosas. Muitas acusações de machismo, de segregação, as tradicionais "é fácil falar sendo machinho de classe média"... repetidas vezes citaram a trágica história da Maria da Penha (a pessoa, não a lei). Repetidas vezes reafirmaram, como se já não estivesse na própria imagem, o quanto as mulheres sofrem com a violência doméstica no Brasil. Citaram a jurisprudência que permitiu a Maria da Penha (a lei, não a pessoa) ser usada para homens, como se fosse a maior novidade do mundo. No Facebook até uma imagem-resposta, que basicamente editava o último balão do diálogo, apareceu.

Em comum, todos os protestos, todas as revoltas, todas as reclamações e ofensas dirigidos à minha pessoa, e até o balãozinho editado que reproduzo aqui do lado, tinham apenas uma coisa:

Nenhum deles respondia a pergunta da imagem.

Quantos homens são vítimas de violência doméstica? Como se as respostas furiosas tivessem sido feitas por encomenda pra ilustrar a minha imagem, todas as ofensas, discursos furiosos, ideologias e acusações trabalharam juntas, em uníssono, validando exatamente a sua mensagem.

Quantos homens são agredidos em casa? Ninguém se importa. O site "Delas" no iG até tentou fazer [uma reportagem] sobre o assunto, mas acabou ficando só nos "depoimentos pessoais" porque as estatísticas simplesmente não existem. Aparentemente ninguém está interessad@ em levantar esses números. Afinal, quem se importa? Os dados não existem. Ninguém sabe, ninguém quer saber.

Uma das ativistas revoltadas chegou a dizer que "os homens que resolvam seus próprios problemas". Como se fosse uma guerra. Como se fosse "nós contra eles", duas categorias diferentes de pessoas disputando direitos. Como se, pelo fato de compartilharmos o mesmo gênero, eu tivesse que sentir mais compaixão pelo [Valdemir Victor] do que pela Maria da Penha. Algumas dessas feministas, pelo visto, se sentem confortáveis sentindo o contrário.

E como fica o embasamento das afirmações feministas nesse cenário? Uma das desculpas mais recorrentes para o [sexismo] da Lei Maria da Penha, repetida à exaustão por todo tipo de feminista, é que os casos de violência contra a mulher são "maioria absoluta".

Mas peraí, de onde foi tirada essa informação? Se simplesmente ninguém se importa em fazer estatísticas sobre a violência doméstica contra homens, quando foi que alguém se outorgou a autoridade pra dedicir que o número de casos contra homens é insignificante?

Então quer dizer que é tudo achismo? Quer dizer que ninguém sabe quantos homens sofrem violência em casa? Que ninguém sabe quantos homens apanham calados, com medo de serem ridicularizados na delegacia?

Quer dizer foi criada uma lei que dá direitos superiores a mulheres, que foram criadas delegacias exclusivas para mulheres, simplesmente porque feministas desconfiam que a maioria de casos de violência é contra a mulher? Porque feministas acham que homens sofrem menos com esse problema?

 Sei lá... quem se importa?



----

58 comentários:

  1. Genial, Clarion, vc está de parabens!

    ResponderExcluir
  2. Além de que mesmo que a violência contra a mulher seja maioria absoluta (o que acho provável), isso não justifica que exista uma lei favorecendo exclusivamente mulheres.

    ResponderExcluir
  3. Ué, você mesmo falou que os grupos machistas estão apoiando a tirinha. Vai ver eles se importam (hahahahah).

    ResponderExcluir
  4. Hitler apoia a respiração, logo é errado beber aguá. Seu argumento é quase assim

    ResponderExcluir
  5. Hitler apoia a respiração, então é errado respirar. seu argumento é quase assim

    ResponderExcluir
  6. Clarion, sei que agora vc não estava a pedir estatísticas, mas caso você queira ver algumas, dê uma olhada aqui: http://papodehomem.com.br/homens-estuprados/

    É mais um exercício de estatística, mas acho que vale a leitura.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Sou feminista, gostei mesmo do seu texto, muito verdadeiro. Mas as bases feministas não favorecem nenhum gênero e eu sei que você usou o texto justamente para mostrar que "Sim, favorecem". Mas, o motivo pelo qual nós não lutamos por tais causas agora (como por exemplo diferenças na aposentadoria, somente homens serem chamados para a guerra e tudo o mais), não é porque estejamos confortáveis em nossos privilégios (também porque eu, por exemplo, sou homem e hétero), mas sim, porque a violência doméstica contra mulheres, por exemplo, pode se medir, é visível que é um caos, e DEVE ser combatida, pois se tem o conhecimento de que é algo grande. A falta de estatísticas é uma das causas pelas quais não levantamos a bandeira, pode ser uma grande parcela da população tanto quanto podem ser 3 casos por semestre, sabe (hiperbolicamente falando)? Aí você diz "Vocês deveriam correr atras de estatísticas, fazê-las." e eu só tenho de concordar, isso é um ponto errôneo dos feministas (dos feministas e não do feminismo), mas ainda assim, eu lhe retruco; Ora, se você realmente estivesse se importando com a violência domestica contra homens tanto quanto nos nos importamos contra isso e diversas outras causas, você teria ido atras disso, ao invés de só criticar nossa "hipocrisia". Ainda que fossemos atras disso, pouco adiantaria, feminismo não é levado a sério por grande parte da população, muitas das batalhas que travamos hoje em dia são desacreditadas, a maioria aliás, se começássemos a criticar de verdade a violência doméstica contra homens, parte da população iria rir e parte da população iria se unir, mas garanto que a parte que riria seria MUITO maior que a que se uniria. E a cultura que prega a ridicularização do homem que apanha de mulher, é justamente a machista. Mas sua critica quanto ao modo agressivo com o qual muitos feministas te abordam ao criticar certas "verdades inquestionáveis do feminismo" é realmente verdade, já vi muito disso, mas não generalize, a imagem que você passa as vezes é que todo feminista é assim, e cá estou, dando minha palavra sem agredir ou insultar, só uma crítica mesmo. C:

    ResponderExcluir
  8. Então Kaique, dá uma olhada no vídeo que tem no final da matéria. É meio grandinho, mas, dá pra ter uma boa ideia de quanto o feminismo está interessado em SEQUER SABER o tamanho do problema quando atinge os homens.

    ResponderExcluir
  9. Bom texto, remete a uma discussão necessária. E o vídeo é ótimo, adorei a abordagem da psicóloga!

    ResponderExcluir
  10. O feminismo não, Clarion, certas feministas que entendem o feminismo como misandrismo.

    ResponderExcluir
  11. Está generalizando... Engraçado esse ódio todo contra as mulheres feministas....

    ResponderExcluir
  12. Acho que precisamos respeitar mais nossa mulheres. Todos nos homens precisamos fazer isto.

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito da entrevista da psicologa Simone Alvim, honestidade intelectual, senso humano e coragem. Gostaria de poder dar a ela meus parabéns.


    Homem

    ResponderExcluir
  14. Já parou para pensar que se as tais estatísticas não existem seria pq isso não é algo frequente nos boletins de ocorrência? Não estou dizendo que não existam homens que sejam agredidos por mulheres, mas se houver, a quantidade será no mínimo irrisória e se abstêm de procurar ajuda por medo de passar "vergonha" perante os amiguinhos machistas. Abrir um jornal e me deparar com uma violência de mulher para com homem é algo extremamente raro, já o contrário é diário.
    Chega de guerrinha de sexos, mais coerências por favor.

    ResponderExcluir
  15. A lei Maria da Penha pode (e deve) ser também usada em casos onde o homem é o agredido. Esta na lei. Se alguém tentar barrá-lo em seu direito de usufruir dela, entre com um processo. Não existe direito superior algum para com as mulheres neste aspecto, mesmo meros sociólogos saberiam disso.
    Se homens querem suas delegacias masculinas próprias para não se sentirem humilhados por serem atendidos por mulheres, por que não? Que lutemos todos por isso. O que mulheres (e homens) pediram para as mulheres não está indo contra os homens uma vez que não barra o direito masculino de buscar o mesmo.
 Quem escreveu este texto sabe pouco, quase nada, de legislação e deveria sentir vergonha de espalhar besteiras por aí.

    ResponderExcluir
  16. Calma, Josiel. Não é uma guerra.
    Não sei o que aconteceu na tua vida, mas nunca se cale. Busque ajuda.

    ResponderExcluir
  17. Já se deu ao trabalho de ler o texto da lei? Imagino que não...

    ResponderExcluir
  18. Já se deu ao trabalho de ler o texto da lei? Imagino que não...

    ResponderExcluir
  19. Por favor me perdoe por esse comentário . Garanto que não vai se repetir! Estava com raiva so isso não era pra ter falado besteiras. Um abraço.

    Em 29 de outubro de 2013 12:55, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  20. a pesquisa feita na delegacia de SP esqueci de colocar http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n8/22.pdf e para te acrescentar mais uma do ministerio da saude http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/painel_indicadores_sus_n5_p1.pdf (página 16 a 18)

    http://www.statcan.gc.ca/pub/85f0033m/85f0033m2010024-eng.pdf
    essa daqui é do canada com denuncias na polica em 2008 mostra que houve 298,00 vitimas de violencia naquele ano 152,000 mulheres com 81% dos homens sendo o agressor e 146,00 homens 79% dos homens sendo o agressor e mostrou a total natureza de diferença de como homens e mulheres sofrem violencia como eu lhe falei 3/4 da mulheres foram agredidas em casa com o mesmo para 42% dos homens,29 % das mulheres foram agredidas por um atual ou ex parceiro os homens,só 7% e 22% com alguém que ela tá saindo ou já saiu para homens:5%,essa pesquisa mostrou que os homens fazem 74% das vitimas de homicidio,

    https://www.academia.edu/444484/Are_Men_and_Women_Equally_Violent_to_Intimate_Partners_2001_

    de acordo com Dr flood que estuda bem esse assunto na australia,mulheres sao mais que 8 vezes provavel de reportar para a policia que homens,sao a grande maioria preocurando abrigos ou tendo ordem de proteçao,e que em um número emergencial para violencia domestica homens sao 4% a 7,9% das chamadas,e ele nao acredita que necessariamente os homens denuncia menos já que as evidencias sao anbiguas,pelo menos lá.
    e fora que essas pesquisas que eu estou citando nao pega ainda tudo e ainda exclui algumas formas de violencia,e para entender a violencia contra a mulher
    ,temos que ter uma pespectiva de genero,coisa que voce nao tá tentando
    e só para finalizar para quebrar um argumento que vi voce usar!!foi o argumento de que já que as mulheres sao a maioria das vitimas da violencia domestica portanto "merece a lei maria da penha só para elas"(coisa que nao é verdade já que a lei pode e é usada em outras formas de violencia intra-familiar)entao só os homens deveria ser amparados pelas leis de homicidio já que eles sao a grande maioria dos assassinados,errado!!!mulheres sao vitimizadas pq simplesmente sao mulheres,homens nao,o homicidio se dá por vários outros motivos,probreza,desigualdade,tráfico de drogas,complacencia das autoridades e etc.e como eu falei,lei maria da penha é usada em homens também,voce devia largar esse argumento reaça de que ela nao é,e em nenhum momento a lei fala que só a mulher pode ser vitima ou só o homem é o agressor,sorry!!!

    ResponderExcluir
  21. Denise Teles de Oliveira4 de janeiro de 2014 07:27

    Não é um argumento válido, pq a motivação, consequência e
    resultado é diferente... é como dizer que foda-se a violência contra
    homossexuais, pq heterossexuais morrem todos os dias ... qquer um tá sujeito a
    violência, mas o problema é sofrer violência gratuita apenas por ser
    homossexual, ou apenas por ser uma mulher e estar vulnerável a essa violência.

    ResponderExcluir
  22. Denise Teles de Oliveira4 de janeiro de 2014 07:31

    Difícilmente acontecerá com você o que aconteceu com a turista estrangeira que estava em um ônibus no Rio de Janeiro e foi violentada, você muito difícilmente será violentado em um transporte público, e mais difícilmente ainda... será violentado por um grupo de mulheres, ainda que mulheres também cometam crimes, pq qquer classe de indivíduo pode cometer um crime, a motivação e o efeito social acaba tendo um resultado bem diferente ainda SIMMMM

    ResponderExcluir
  23. gnt como o clarion nao entende isso,gnt assim nao entende que estamos discutindo sobre vioilencia de genero, e esse "mimimi mas e a violencia contra os homens"nada tem haver com o assunto em questao é outra historia é outro problema.e querer abranger homens nesses conceitos da violencia de genero,é ruim pra todo mundo,até mesmo pros homens.

    ResponderExcluir
  24. Me permite algumas anotações em seu comentário?

    Quando você fala sobre os processos, deveria lembrar que casos de violência doméstica são amplamente sub-notificados. Quer dizer, mulheres que apanham de seus maridos não prestam queixa na DP. E homens que são vítimas desse tipos de violência também não.

    Atualmente, há uma tendência levemente maior de que as mulheres que tenham sido vítimas de violência em casa perpetrada pelo seu marido denunciem o fato. Você mesmo colocou depois que "mulheres são mais que 8 vezes provável de reportar para a policia que homens".

    Quer dizer, os números dos processos apurados na delegacia são mesmo os números reais? E se analisar os números absolutos, já que o IPEA e o DIEESE nos dá apenas valores percentuais? No caso dos assassinatos, se pegar como base os números do relatório do mapa da violência e fizer uma regra de 3 simples em cima dos percentuais apresentados pelo IPEA, descobrirá que o número absoluto de homens mortos dentro dos 6% ainda é maior que o de mulheres mortas dentro dos 40%.

    Com relação aos assassinatos, você mencionou que os homens são mortos por várias causas, mas esqueceu de citar que, ainda de acordo com o mapa da violência, morreram em 2009 4.260 mulheres (página 66), enquanto o total foi de 51.918 assassinatos no mesmo ano (página 18). Por eliminação, pode-se concluir que 47.658 homens foram assassinados naquele ano. Ou seja, para cada mulher assassinada em 2009, pouco mais de 11 homens perderam a vida.

    http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2012/mapa2012_web.pdf

    ResponderExcluir
  25. A lei é clara em defender apenas mulheres. E a própria jurisprudência já deixa claro que a interpretação da Lei 11.340/2006, em maior parte dos casos, beneficia exclusivamente mulheres, mesmo em ações onde a agressora for igualmente mulher. No caso de um casal homossexual masculino, dificilmente é dada a causa à vítima.


    Não vejo necessidade de criação de delegacia própria, mas sim de melhorar a qualidade do treinamento dos policiais civis, para que as pessoas que procurem uma delegacia comum quando vítimas de violência em casa possam ser tratadas adequadamente e receber imediatamente o apoio psicológico, social e policial na hora, não importa se a vítima é mulher, homem, cis, trans*, hétero, homo, etc.


    E isso vai muito além da lei Maria da Penha, visto que, na interpretação literal da Lei, apenas mulheres tem direito a esse atendimento.

    ResponderExcluir
  26. Aqui uma reportagem interessante:

    http://delas.ig.com.br/comportamento/2013-05-24/lei-maria-da-penha-coloca-140-mulheres-na-cadeia.html

    E um trecho mais interessante ainda (grifos meus):

    "Entre estudiosos e juristas, a utilização da Lei Maria da Penha para proteger vítimas masculinas não é consenso. “Achamos inadmissível usá-la em favor dos homens”, avalia Ana Teresa Iamarino, do departamento de enfrentamento da violência contra a mulher, da Secretaria Especial de Políticas Para Mulheres, ligada ao governo federal.

    “A lei foi criada justamente para beneficiar mulheres, aquelas que vivem uma relação desigual de poder, de força e de opressão. Nosso acompanhamento mostra que quando a lei é usada em favor deles, as decisões acabam revogadas. Estes casos que resultam em prisões de mulheres, em geral, são para beneficiar outras mulheres, principalmente as vítimas de violência em relações homoafetivas”, analisa Ana Teresa."



    Ou seja, quando disserem que a Lei Maria da Penha protege igualmente homens, saiba que é mentira.

    ResponderExcluir
  27. Ah, mas tem a ver com o assunto sim.


    E as pesquisas que incluem os homens entre as possíveis vítimas e mulheres entre as possíveis agressoras revelam que, na verdade, o feminismo aqui está tratando do assunto com uma falsa assimetria. Homens sofrem SIM com violência doméstica e os números são equivalentes.



    E por que seria ruim para os homens incluí-los como vítimas possíveis em uma luta contra a violência doméstica? Ou você acredita mesmo que as únicas vítimas possíveis são mulheres?

    ResponderExcluir
  28. É um argumento válido sim. A motivação (ciúmes, desejo de controle, etc), a consequência e o resultado é parecido. Caso não saiba, homens sofrem danos psicológicos por causa da violência que sua esposa comete.


    Fora os danos físicos, que podem passar por pequenas escoriações, passando por mutilações e podendo chegar até a morte do marido. Um ótimo exemplo é o caso Yoki, cuja ex-esposa, Elize Matsunaga, o matou a sangue frio. E - infelizmente - esse não é um caso isolado.

    ResponderExcluir
  29. A pesquisa que você mostrou mostra apenas que 85% dos casos denunciados nos EUA tem mulheres como vítimas. A verdade é que uma pesquisa mostra que 29% dos homens de lá foram vítimas desse tipo de violência.

    http://www.estadao.com.br/noticias/geral,estudo-diz-que-29-dos-homens-ja-sofreram-violencia-domestica,174847,0.htm

    A pesquisa que você mostrou apenas mostra que homens denunciam menos que mulheres.

    Mas ainda assim, mesmo que sejam realmente minoria entre as vítimas, por que o poder público deveria ignorar solenemente o atendimento às vítimas quando de gênero masculino?

    Sobre o número de mortes, vamos raciocinar:

    Mulheres: 40% de 4.260 = 1.704 mortes por violência doméstica
    Homens: 6% de 47.658 = 2.860 mortes por violência doméstica.

    Ou seja, para cada 100 mulheres mortas pelo marido, 167 homens morrem nas mãos da esposa.

    E esse é um dado que prova que feministas estão erradas quando falam que homens não são vítimas de violência doméstica. Ou que o número de homens vitimados por esse tipo de violência seja infinitamente menor. Pelo contrário, é 2/3 maior.

    E o comportamento de feministas que estão trabalhando com o tema mostra exatamente isso: "estamos nem aí para os homens que apanham de suas esposas". Você mesmo mostra esse comportamento de "estou nem aí" ao negar a importância de estudar e combater a violência doméstica quando a vítima é de gênero masculino. E esse sentimento de "estou nem aí" é reforçado pelas negativas em reconhecer sequer os homens como possíveis vítimas desse tipo de violência.

    Aliás, não apenas isso, como está reafirmando um padrão de gênero machista, onde os homens são sempre os agressores (e agressivos) e as mulheres sempre as suas vítimas (passivas e indefesas). Até mesmo ao afirmar que elas usam de violência apenas para se defender. Afinal, há casos, como o de Elize Matsunaga, onde ela matou por ciúmes e não por autodefesa. E casos como o dela não são tão raros quanto você quer apontar.

    Aliás, uma matéria do jornal britânico Daily Mail aponta que a violência doméstica está em alta no reino unido. Por lá, mais homens casados sofrem abusos do que mulheres casadas. E 40% das denúncias de violência doméstica tem homens como vítimas. E essa mesma matéria mostra o motivo que levou algumas mulheres a matarem seus maridos. Autodefesa não era sequer citado.

    http://www.dailymail.co.uk/femail/article-2518434/Why-MEN-victims-domestic-violence-Its-Britains-remaining-taboos-abuse-men-home-rise.html

    E lamento informar, mas é sim uma questão de quantidade. Não se pode falar que mais mulheres sejam vítimas de um tipo de violência sem checar os números absolutos, pode? E não podemos ignorar um tipo de vítima só porque ela não tem o gênero correto, mesmo considerando que essa vítima tenha mais chances de morrer do que qualquer mulher que seja. Ou podemos?



    E no exemplo que você mencionou, não se pode combater apenas a violência contra idosos, deixando os jovens à própria sorte.


    Por isso, eu gostaria que você revisasse o seu olhar sobre a violência doméstica e procurasse ter mais empatia com homens que sejam vítimas disso.

    ResponderExcluir
  30. E já parou para pensar que os policiais também possam ser machistas e podem se recusar a abrir boletim de ocorrência?

    ResponderExcluir
  31. Ah, só para complementar:

    Nessa página:

    http://www.publico.pt/sociedade/noticia/155-das-vitimas-de-violencia-domestica-sao-homens-1613002

    Não diz que 15,5% das vítimas sejam homens. Mas sim que 15,5% das vítimas *que procuram ajuda* são homens. Note o "que procuram ajuda".

    Na matéria diz: "Ainda existe uma relutância masculina em se admitir ser vítima de violência e o preconceito social é o principal motivo".


    E penso que reforçar esse preconceito não vai ajudar a combater a violência.

    ResponderExcluir
  32. o preconceito vem de feministas?e nao do machismco?que diz que homem nao pode ser uma "mulherzinha" um "bichinha" e nao pode demonstrar sentimentos e tem que ser sempre duro?senao ele nao é homem?

    ResponderExcluir
  33. Role os comentários aí embaixo ou vá em qualquer discussão sobre o assunto que você verá pessoas afirmando isso.


    E eu vejo todo o sentido em proteger igualmente. Homens também são seres humanos e também estão expostos a violência, mesmo em casa. E uma pessoa não pode ser protegida de uma mulher que o inferniza (violência psicológica) ou que tenta matá-lo só porque é homem?

    ResponderExcluir
  34. Cara, você se deu ao trabalho de ler o que eu postei? Não estou falando de dano leve ou moderado. Estou falando de assassinatos. Gente morrendo.

    E me diga: qual é a diferença entre uma facada que uma mulher dá para uma facada que um homem dá? Mulheres podem (e geralmente usam) armas para agredir, sabia?

    E se o conhecimento sobre a causa é tão incompleto assim, é lógico que temos de estudar o problema para ver aonde está a raiz do problema e então eliminar o mal por lá. E não é pregando que o homem tá sempre errado e a mulher sempre certa que vamos chegar nisso.

    E você não respondeu à pergunta: Por que seria ruim para os homens incluí-los como vítimas possíveis em uma luta contra a violência doméstica?

    ResponderExcluir
  35. O preconceito vem do machismo. Isso é fato.


    Mas existem ações que feministas fazem reforçam esse preconceito. Negar que homens sejam possíveis vítimas desse tipo de violência é um ótimo exemplo de como militantes desse movimento podem estar reforçando esse preconceito machista.

    ResponderExcluir
  36. "isso é um espantalho,ninguém tá dizendo que devemos ignorar um homem que foi agredido"

    Não cara, não é um espantalho. O CFEMEA (Centro Feminista de Estudos e Assessoria) já lançou nota condenando um projeto de lei que permitia que os homens tivessem atendimento semelhante caso sejam vítimas de violência doméstica.

    http://www.cfemea.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1450:enquanto-isso-no-congresso-nacional-&catid=181:numero-162-outubronovembrodezembro-de-2009&Itemid=129

    Aí diz: "Outro Projeto é o 5448/2009, do deputado Gonzaga Patriota (PSB/PE), que propõe a criação de mecanismo para coibir a violência contra o homem. *Um absurdo,* já que não há dados que sustentam a incidência da violência doméstica e familiar contra o homem."


    Ou seja, para as feministas do CFEMEA, é absurdo que não haja proteção para os homens porque não existem dados. E não existem dados porque o assunto não é estudado. E o assunto não é estudado porque não existem dados. Fácil cair nesse pensamento circular.

    E na matéria ali em cima que postei, a representante da Secretaria de Políticas para a Mulher, praticamente um ministério, disse "Achamos inadmissível usá-la [a lei Maria da Penha] em favor dos homens". Ou seja, ela não quer que homens sejam atendidos pela Lei 11.340/2006.

    Se elas são contra usar a lei que já existe para proteger os homens e são contra também a criação de uma lei específica, então feministas são sim contra o atendimento aos homens vítimas de violência. Se até órgãos e ONGs feministas admitem publicamente isso, imagine as feministas de blog e face.


    Se homens não são atendidos por políticas públicas, feministas tem sim a sua parcela de culpa. Afinal, não são elas mesmas quem se colocam no caminho de quem tenta fazer alguma coisa em favor dos homens?


    P.S.: Será que você poderia usar parágrafos na próxima vez que escrever, por favor? É difícil ler um texto comprido e compactado em um parágrafo só.

    ResponderExcluir
  37. CFEMEA nao é o feminismo,é uma de várias outras organizaçoes.e o assunto é muito estudado a decadas já e chegou-se na conclusao que violencia contra a mulher é uma violencia de genero ,uma violencia baseada no genero,uma violencia contra o genero feminino,para ser especifico, como o estrupo corretivo é uma violencia contra o genero e orientaçao sexual de mulheres lesbicas para te dar o exemplo.e há vários dados apontando essa desproporçao.abrigos,números da policia,sentenças,hospitais,pesquisas e etc.e o ponto nao é nem esse que elas pegaram e sim que homens nao sofrem violencia de genero(o que eu acredito está correto),sofrem violencia mas nao de genero,como heteros sofrem violencia também mas nao por causa da homofobia!!!!!

    ResponderExcluir
  38. existe um erro de conceitos ai: negar que homens nao sofrem violencia por causa do machismo ou por causa do seu genero.nao é negar que seja impossivel homens apanhar de suas esposas( oque nao é negado) ou que isso seja impossivel !!!!!!

    ResponderExcluir
  39. só disse que existe diferenças nas formas de violencia umas causa mais danos do que outras,e elas precisam desse olhar analitico para saber seus padroes e conceitos,para sabermos como melhor lidar com elas,e os homens assassinam mais as esposas.a pesquisa do canada mostrou que durante 2004 e 2008 mulheres eram 3/4 dos assassinatos entre pessoas casadas,em 2011,mais de 85 % http://www.statcan.gc.ca/pub/85-002-x/2012001/article/11738-eng.pdf e leu o post do blog explicando como o movimento feminista ajudou a reduzir bastante o homicido de homens pelas suas companheiras ,em 1976 eram assassinados pelas parceiras 1357 homens e em 2000,440(e ver contas mulheres morreram da mesma causa no mesmo ano,e como eu comentei,nao é só quantidade e sim padroes,porque existe diferenças) http://www.bjs.gov/content/pub/pdf/ipv01.pdf. o post explica uma das causas dessa grande reduçao ! e é estudado sim a questao do homem nisso tudo ,claro sobre outros aspectos,mas seria um erro nao estudar por exemplo o porque dos homens cometerem tanta violencia,isso é estudado,é estudado também jovens que sofrem essa violencia,jovens que a experienciam e etc. e sobre a diferença de uma facada de um homem e de uma mulher,se eu matei uma pessoa porque eu tava me defendendo ou protegendo outra pessoa ,é diferente de eu ter matado uma pessoa porque ela ,sei lá,pisou no meu pé.isso que eu quis dizer. (e eu nem entrei no mérito se isso é certo ou errado) depois de tudo que eu falei voce ainda acha que violencia domestica é um grande problema enfrentado por homens? e nao o conhecimento nao é "incompleto" por nao ser incompleto nao foca no homem,porque causa de uma série de coisas que nos sabemos,e a raiz do problema é:opressao da mulher,nao faz muito sentido olhar por esse vies quando se estamos falando de um mundo onde sujeita mulheres(e nao homens) a esse tipo de coisa,e em nenhum momento se foi dito que devemos ignorar homens que precisam de ajuda. e nao é isso de que homens estao sempre errados e muheres perfeitas,isso ai é voce que tá falando,e sao os homens que cometem a grande maioria da violencia ,tanto contra homens,tanto contra mulheres. as e pesquisas que eu lhe mostrei nao incluiram homens também?e nao mostraram que existe uma grande desproporçao?

    ResponderExcluir
  40. eu sempre vi o argumento de que ela também é usada em homens nao que " ela é igual para homens e mulheres" porque nao é,e nao vejo sentido em feministas defenderem isso. em casos em que for necessários acho que a lei deva ser aplicada sim,mas nao em todos. e homens estao expostos bem mais por desconhecidos e pessoas que nao sao familiares e por outros homens. e dar direitos para mulheres nao é o mesmo que tirar dos homens e dizer que eles nao sao seres humanos,e também já existe leis para caso ele sofram lesao corporal ,agressao e etc.e para tudo isso existe uma justificatica plausivel. o que voce falou é o mesmo que dizer que adultos também devam ser amparados pelo estatuto da criança e do adolescente porque eles também sao seres humanos,sem levar em consideraçao vários aspectos dos fatores sociais. e sabemos por que ele existe e o que ele protege.

    ResponderExcluir
  41. Eu também não vejo sentido em feministas defendendo a aplicação do artigo 5º inciso I na Lei Maria da Penha. Feministas puxam sardinha pro lado das mulheres. Beneficiar homens? Só se for beneficiar mais as mulheres.

    E eu concordo que exista a lei. Mas veja que:

    1. Violência doméstica contra homens não é o mesmo tipo penal do que contra mulheres. Aliás, violência doméstica contra homem nem sequer existe como tipo penal. Portanto, a cobertura que os homens tem é incompleta e ineficaz, o que é um estímulo a mulheres que agridem.

    2. Violência psicológica contra homens NÃO É CRIME. Ou seja, a ex-esposa pode stalkear, intimidar, ameaçar, humilhar, difamar e injuriar à vontade que dá em nada. E a psicologia reconhece que o dano provocado em uma vítima de violência psicológica é grave.

    3. Não há proteção legal para o homem que é vítima de uma mulher agressora. Não há lei em que um juiz possa se basear para determinar que uma mulher não se aproxime de um cara. E quando usam a Lei Maria da Penha, a decisão é revogada e ela pode continuar com a violência normalmente.

    4. Em lugar nenhum da legislação a polícia é obrigada a prover atendimento especial a homens que sofrem violência por parte da esposa ou ex-esposa. Só quando a vítima é mulher. Ou seja, se você é homem e sua esposa cometeu algum ato de violência, pode esperar as piadinhas dos policiais.

    Do jeito que está hoje, poder receber atendimento após ser vítima de violência doméstica é privilégio das mulheres. E isso porque a Lei foi feita com uma mentalidade do tipo mulher vítima x homem agressor.

    Assim como todos os demais estudos sobre a questão são pensados com essa dicotomia em mente, descartando sempre quando ele diz algo como "eu a ataquei porque precisava me defender dos ataques dela". Daí apenas metade da questão é analisada (a metade da mulher). E isso faz com que feministas - que poderiam ser parte da solução - sejam parte do problema.

    E vale lembrar que a lei de antes protegia as mulheres também. E continua a proteger nos casos de violência não-familiar. Mas elas tem o privilégio de serem protegidas da violência doméstica.

    ResponderExcluir
  42. violencia domestica também pode ocorrer de tio batendo no sobrinho,mae espancando a filha ,filha batendo na mae e etc todas amparadas pela lei maria da penha se for necessário,até mesmo em homens,acho que já ficou claro a total diferenças de magnitudes existentes.entre violencias e fatores que sao culturais que geram essas diferenças. existe tipificaçao penal sim para violencia contra homens no ambito domestico,art 44 da lei maria da penha . isso meio que desfaz seus pontos 1,2 e 3 porque a lei pode ser usada em homens, usadas em outras formas de violencia domestica,e existe outras artigos no codigo penal que poderiam ser usadas também ,como lesao corporal. a policia e outras autoridades tem o dever de solicitar todas as açoes possiveis para melhor atender a vitima.todos merece um bom atendimento,e se o atendimento é ruim eu nao vejo porque a lei é responsável por isso..e as piadinhas nao é culpa de uma sociedade "feminazi" anti-homem. e existe muitas repressálias para mulheres também, "mulher de malandro", "gosta de apanhar" e etc. e caramba voce tem noçao de como sao tratadas mulheres que sofrem violencia,tem noçao?por praticamente todo mundo. e essa mentalidade de "mulher.vitima x homem agressor" ,falei mais de uma vez que a grande maioria da violencia é causa por homens,um fato. e voce está mostrando desinformaçao e usando Evidência anedótica ,nem faz ideia do total desamparo que mulheres recebem até mesmo pelas autoridades,e parece que nao entendeu o que seja violencia contra a mulher para usar casos isolados para tentar mostrar uma especie de injustiça contra homens.e só o lado da mulher é ouvido?claro porque é assim que funciona um processo judicial.e voce nao faz ideia de como a sociedade ver a mulher como sempre mentirosa,querendo acabar com a vida dos pobres homens,esse é até um dos motivos por qual elas nao denunciam. "´prvilégio" putz,porque claro,é um grande priivilégio sofrer de uma meneira desproporcional de uma forma de violencia a ponto de precisar de uma lei que as proteja.vou te contar uma novidade , a lei que proibe o sequestro é um privilégio para quem é sequestrado.juro !!!!!

    ResponderExcluir
  43. Das formas que você falou, apenas quando a mulher é vítima da violência que a lei Maria da Penha cobre. Seja ela mãe, filha, tia, avó, sobrinha, esposa ou qualquer outra pessoa de gênero feminino que seja parente. A lei é sobre violência contra A MULHER e não contra vulneráveis.

    Se a pessoa que sofreu a violência é de gênero masculino - seja essa pessoa o pai, avô, tio, filho, sobrinho, marido, etc - a lei não cobre. É simples assim.

    O artigo 44 da Lei Maria da Penha se refere tão apenas a lesão corporal (artigo 129 do CP). E ele apenas triplicou a pena que já existia antes. E com relação ao disposto no artigo 7º incisos II, IV e V? Que eu saiba, não existe punição para quando homens sofrem esses tipos de violência.

    Sobre o tratamento que elas recebem, existe o tratamento psicológico oferecido pelo Estado às vítimas de violência doméstica. Foi uma vitória, sem dúvidas. E sou a favor de que recebam esse tratamento. Mas o que eu questiono aqui é porque homens que sofrem esse tipo de violência não tem direito a esse mesmo tratamento. Não por lei, pelo menos, E você acha que homens não são vítimas de chacotas, de discriminação quando são forçados a sobreviver a uma situação de violência em casa?

    Não entenda mal, não quero tirar esse direito das mulheres. Pelo contrário, quero estendê-lo à outra metade da população. Eu quero que mulheres e homens tenham direito a uma vida digna.

    E quem está usando evidência anedótica aqui é você. Mostrei que homens são maioria entre as vítimas de violência, inclusive doméstica. Estou focado em mostrar que homens que foram vitimados não recebem apoio. E o fato que você mencionou é irrelevante para a tese de que homens não recebem atendimento adequado quando são vítimas de violência doméstica. Não se esqueça que a vitimação masculina nesse tipo de abuso é pouco estudada. E os poucos estudos mostram que mulheres são tão agressivas quanto ou até mais do que os homens. Não se esqueça que estamos falando sobre violência doméstica e não violência em geral.

    E sobre o amparo que eu falei, a Lei Maria da Penha é bem clara sobre como o poder público deve agir. Se não é assim, feministas tem mais o que fazer que não seja lutar contra homens que estejam em situação de risco e procurando ajuda, não acha?

    Mais uma vez, não falei em momento algum que mulheres não sofram, que não tenham dificuldades, que o mundo seja perfeito para elas. Acontece que elas tem o direito de receber um tratamento humanizado quando são vítimas de violência, com base unicamente em seu gênero. E os homens não. E esse direito é um privilégio das mulheres, você reconhecendo ou não.

    Afinal privilégio é uma vantagem (ou direito) atribuída a uma pessoa e/ou grupo de pessoas em detrimento dos demais. Nesse caso, atribuída às mulheres em detrimento dos homens.

    E classificar homens como únicos agressores possíveis e mulheres como únicas vítimas possíveis cria uma falsa dicotomia. Homens podem ser vítimas de abusos e mulheres podem agredir, da mesma forma que o homem pode bater e a mulher pode apanhar. Chega a ser uma explicação superficial demais achar que só o homem bata e só a mulher apanhe por causa de seus gêneros. Tem muito mais coisas além disso.



    Espero que você tenha entendido agora e não tente distorcer o que eu disse.

    ResponderExcluir
  44. a lei foi feita para mulheres.isso é óbvio !!!!,e nao,voce nao mostrou que homens sao maioria das vitimas de violencia domestica por que nem de longe eles sao. um artigo que quebra esse mito (em ingles) http://www.xyonline.net/sites/default/files/Kimmel,%20Gender%20symmetry%20in%20dom.pdf mas que seja irmao,vou parar por aqui !!!!

    ResponderExcluir
  45. Vamos lá de novo:

    http://noticias.r7.com/brasil/a-cada-uma-hora-e-meia-uma-mulher-morre-vitima-de-violencia-masculina-no-brasil-diz-ipea-25092013

    Aqui diz: "Aproximadamente 40% de todos os homicídios de mulheres no mundo são cometidos por um parceiro íntimo. Em contraste, essa proporção é próxima a 6% entre os homens assassinados."

    Vamos fazer contas de novo, já que você não entendeu. Os números que você encontra aqui: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2013/mapa2013_homicidios_juventude.pdf)

    Número de mortes total em 2011 (pag. 31) = 52.198
    Mulheres mortas no total (pag. 75) = 4.512

    Homens mortos no total (total - mulheres) 47.686

    Mulheres mortas por violência doméstica (40% segundo o DIEESE) = 1.805

    Homens mortos por violência doméstica (6% segundo o DIEESE) = 2.862

    Só por aqui dá para saber que morreram MIL homens A MAIS do que mulheres em 2011. 1.057 para ser mais preciso. Quer mais provas? OK.

    Em português:

    http://pt.scribd.com/doc/26239325/CAPITULO-V-VIOLENCIA-CONTRA-HOMENS

    http://delas.ig.com.br/comportamento/homens-tambem-sao-vitimas-de-violencia-domestica/n1237758497897.html

    http://www.estadao.com.br/noticias/geral,estudo-diz-que-29-dos-homens-ja-sofreram-violencia-domestica,174847,0.htm

    Em inglês:

    http://divorcesupport.about.com/gi/o.htm?zi=1/XJ&zTi=1&sdn=divorcesupport&cdn=people&tm=386&f=11&su=p284.13.342.ip_&tt=2&bt=4&bts=45&zu=http%3A//news.ufl.edu/2006/07/13/women-attackers/

    http://www.smh.com.au/national/male-domestic-violence-victims-need-more-support-20131229-301m4.html

    http://www.dailymail.co.uk/femail/article-2518434/Why-MEN-victims-domestic-violence-Its-Britains-remaining-taboos-abuse-men-home-rise.html



    E só não aponto mais estudos porque o movimento que você defende (feminismo) ataca com força qualquer um que tente estudar esse tipo de violência de um jeito mais neutro.


    Mas estão aí os números para mostrar - pelo menos - que o número de homens vítimas de violência doméstica não é tão irrisório quanto você quer fazer parecer.

    ResponderExcluir
  46. Padrões são medidos por números, caso você não saiba. E se os números apontam um padrão diferente daquele que você está indicando, então seu padrão está errado.

    E não houve "grande redução". Nem aqui, nem nos EUA. Mapa da violência+DIEESE mostraram que, na realidade, esse número aumentou, se considerar os números mais recentes. E a tendência é que continue aumentando.

    O conhecimento é incompleto porque ignora os homens enquanto vítimas. Todas as pesquisas que deixaram de lado o dogma feminista de mulher vítima x homem agressor e partiram de um ponto de vista mais neutro acabaram sempre chegando a conclusões diferentes do que é pregado por esse movimento. Aliás, a visão feminista até ganhou um termo: daltonismo de gênero.

    A conclusão é que normalmente a violência parte dos dois lados e atinge os dois lados. E os danos são equivalentes em ambos os lados e também fere qualquer outra pessoa que esteja envolvida nisso (os filhos do casal, por exemplo). Não tem essa de só um bate e só um apanha.

    E os números que você mostrou são com base em denúncias. E mulheres procuram mais ajuda, enquanto os homens tendem a guardar pra si seus problemas. É por causa da criação machista de todo mundo que isso acontece. Ok. Ponto pra você.

    Mas apoiar um movimento que me demoniza só porque eu tenho um pênis? Não, muito obrigado.

    Mas vai aí umas perguntinhas:

    1. Por que seria ruim para os homens incluí-los como vítimas possíveis em uma luta contra a violência doméstica? Você ainda não respondeu.



    2. Sabe me responder por que os homens são a maioria entre os perpetradores?


    3. Mesmo considerando que a maioria das pessoas que cometam crimes sejam homens, por que eles não merecem proteção se a maioria das vítimas são igualmente homens?


    4. Por que feministas são contra proteger os homens da violência doméstica se a proteção das mulheres que são vítimas desse tipo de violência vai continuar?

    ResponderExcluir
  47. acredite, nao só é provavel como nao é verdade.

    ResponderExcluir
  48. Marcus Valerio XR4 de março de 2015 18:30

    Não filho. Lastimo dizer para uma pessoa que parece bem intencionada, mas eu inverto sua proposição. Existem feministas bem intencionados, mas o Feminismo em si é por completo corrupto e pervertido. E Sim! Existe o Feminismo em Si! É aquele que tem como origem as doutrinas norte americanas produzidas em peso nos centros de Gender Studies, especialmente em Harvard, centralizados pela N.O.W. (National Organization for Women) e financiados com milhões de dólares por um punhado de Fundações "beneficentes".

    Todas as doutrinas geradas chegam absolutamente inalteradas até o Brasil, sendo convertidas em propostas legislativas com a assessoria especialmente centrada no CFEMEA, que é financiado pelas mesmíssimas Fundações norte americanas. Você não irá encontrar qualquer diferença essencial entre as propostas feministas no Brasil e as dos EUA ou de qualquer outro lugar do mundo.

    Temos a VAWA (Violence Against Women Act) nos EUA, a Lei Integral de La Violencia de Género (Espanha), e outras similares em quase toda parte do planeta, e o fato que em TODOS OS CASOS, sem exceção, não houve qualquer avanço no sentido de diminuir especificamente os crimes que se propôs a combater, havendo no entanto casos de aumentos. E o motivo puro e simples é que o fundamento teórico dessas leis é falso!

    A mulheres NÃO SÃO AGREDIDAS EM RAZÃO DE SEU GÊNERO! Simples assim. A violência contra elas possui suas peculiaridades, mas ela tem motivos pessoais, não sociais. E toda a Ideologia de Gênero é uma fraude, uma visão delirante da realidade, não sendo por outro motivo que tudo o que se propõe a resolver, piora.

    ResponderExcluir
  49. Esses assuntos ainda estão sendo tratados superficialmente. Quando se
    diz que homens são agredidos pelos próprios homens é preciso lembrar quantos
    casos ocorreram de uma mulher se vingar de um homem através de outro(s)
    homem(ens). E quantas mulheres não foram "defendidas" por homens ?
    Quantos pais já não quiseram fazer (e fizeram) "justiça pelas próprias
    mãos' ? Quantos pais e até quantas mães, já não deram um "corretivo"
    numa filha adolescente ou num namorado dela? Quantas vezes cada menino/homem já
    foi ameaçado de ter seus orgãos mutilados, cortados, machucados, etc, etc ????
    Na TV isso é todo dia em algum filme, seriado. Na vida real também. Por outro
    lado, nunca ouvi alguém dizer que, por exemplo, iria cauterizar a vagina de alguém
    com um ferro em brasa. Eu me lembro de uma ocasião em que meu chefe disse algo
    assim para uma garota, olhando nos olhos dela: "espero que possamos
    servi-la mais vezes, é um prazer tela como cliente". Na hora ela deu um
    sorriso, mas não disse nada que eu conseguisse escutar (também não sei se meu
    chefe escutou algo). Mais tarde aparecerem dois brutamontes para tirar
    satisfações com ele. O que é isso ?

    ResponderExcluir
  50. Você não vai aguentar ver essa lista até o final.

    ● 83% dos óbitos violentos por ano no Brasil são homens.
    Fonte: IBGE - Estatísticas do Registro Civil, 2011
    Link: http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/series.aspx...
    ● 91,2% das vítimas de homicídio no Brasil são homens.
    Fonte: IBGE; Ministério da Saúde/DATASUS; Fórum Brasileiro de Segurança Pública (2011)
    Link: http://www2.forumseguranca.org.br/.../anuario.../7a-edicao
    ● 80% dos suicídios no Brasil são homens.
    Fonte: Ministério da Saúde/SVS - Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIMLink: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?idb2010/c09.def
    ● 82% dos sem-teto no Brasil são homens.
    Fonte: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2008)
    ● 77,1% dos acidentes de trabalho no Brasil ocorrem com homens.
    Fonte: Ministério da Providência Social (2009)
    ● 93% das mortes nos acidentes de trabalho no Brasil ocorrem com homens.
    Fonte: Ministério da Previdência Social (2010)
    ● 99% dos condenados injustamente nos EUA são homens.
    Fonte: http://www.innocenceproject.org/know/Browse-Profiles.php
    ● 59% dos americanos do sexo masculino que foram presos por estupro foram molestados por alguma mulher adulta quando crianças.
    Fonte: Petrovich and Templer (1984)
    ● Mulheres controlam 66% do consumo das famílias brasileiras
    Fonte: SophiaMind, 2010
    Link: http://www.sophiamind.com/.../SophiaMind_Automovel.pdf
    ● A taxa de homens heterossexuais molestados na infância é 7 vezes maior que a de mulheres heterossexuais molestadas na infância.
    Fonte: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11501300
    ● Por motivo de divórcio, no Japão os ex-maridos são 2 vezes mais propensos ao suicídio que as ex-mulheres. Fonte: http://mpra.ub.uni-muenchen.de/10175/
    ● Mulheres praticam mais violência doméstica que homens
    Fonte: http://www.ufjf.br/.../Fernanda-Monteiro-de-Castro-Bhona.pdf
    ● Homens são 93,8% dos presos no Sistema Penitenciário brasileiro
    Fonte: Ministério da Justiça/Departamento Penitenciário Nacional – Depen; Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE; Fórum Brasileiro de Segurança Pública (2012)
    ● 95% dos trabalhadores que possuem os piores trabalhos nas questões de distância, perigo, salubridade e penosidade nos EUA são homens.
    ● Existe mais violência doméstica entre casais de mulheres lésbicas do que entre casais heterossexuais.
    Links:
    (1) http://www.preve ntconnect.org/.../first-federal-study-of.../
    (2) http://www.learningace.com/.../7cbb6b467a3d.../ipv_pb_031810
    (3) http://www.thegavoice.com/.../5774-cdc-lesbian-gay...
    (4) http://www.uncfsp.org/.../DCE.../NCADV_LGBT_Fact_Sheet.pdf
    (5) http://www.musc.edu/vawprevention/lesbianrx/factsheet.shtml
    (6) http://j4mb.files.wordpress.com/.../130226-j4mb...
    (7) http://www.pucsp.br/.../ed7_v.../artigos/ed7/5_artigo.htm
    IBGE | Séries Estatísticas & Séries Históricas |
    população e demografia | nascimentos e óbitos |...

    A série: Óbitos violentos ocorridos no ano por sexo apresentada esta disponível
    para o período 2003-2011 com a periodicidade Anual tendo como fonte IBGE -
    Estatísticas do Registro Civil.

    SERIESESTATISTICAS.IBGE.GOV.BR|POR
    IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA

    ResponderExcluir
  51. Desculpe, mas tem tudo a ver se os agressores supostamente são homens. Esses assuntos ainda estão sendo tratados superficialmente. Quando se diz que homens são agredidos pelos próprios homens é preciso lembrar quantos casos ocorreram de uma mulher se vingar de um homem através de outro(s) homem(ens). E quantas mulheres não foram "defendidas" por homens ? Quantos pais já não quiseram fazer (e fizeram) "justiça pelas próprias mãos' ? Quantos pais e até mães, já não deram um "corretivo" numa filha adolescente ou num namorado dela? Quantas vezes cada menino/homem já foi ameaçado de ser castrado, ter seus orgãos mutilados, cortados, machucados, etc, etc (por mulheres) ???? Na TV isso é todo dia em algum filme, seriado. Na vida real também. Por outro lado, nunca ouvi alguém dizer que, por exemplo, iria cauterizar a vagina de alguém com um ferro em brasa. Eu me lembro de uma ocasião em que meu chefe disse algo assim para uma garota, olhando nos olhos dela: "espero que possamos servi-la mais vezes, é um prazer tela como cliente". Na hora ela deu um sorriso, mas não disse nada que eu conseguisse escutar (também não sei se meu chefe escutou algo). Mais tarde aparecerem dois brutamontes para tirarsatisfações com ele. O que é isso ?

    ResponderExcluir
  52. https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10203571767193951&set=a.4087889874768.2157774.1208312233&type=1&theater

    ResponderExcluir
  53. E quem foi que disse o contrário, criatura? Essas pessoas têm um pensamento tão binário que acham que o simples fato de pedir atenção para os problemas dos homens é, automaticamente, pedir para ignorar e desrespeitar as mulheres. Nós queremos atenção e respeito para os dois, não só para um. É tão difícil entender isso?

    ResponderExcluir
  54. A violência que os homens sofrem por parte das parceiras têm as mesmas motivações que geram a violência sofrida pelas mulheres. A comparação que você fez com a violência contra homossexuais é uma total falsa analogia, ambas as situações são totalmente diferentes. Não somos nós que estamos dando um "foda-se" para a violência sofrida pelas mulheres, são os pesquisadores e criadores de projetos sociais feministas que estão dando um "foda-se" para a violência sofrida por homens, nós só queremos um tratamento igual quando sofremos violência.

    ResponderExcluir
  55. Se a culpa é do machismo, então você me leva a crer que o feminismo é a instituição mais machista que existe. Afinal, quem cria leis de proteção exclusivas para mulheres, negligenciando os homens vítimas da violência de suas parceiras? Quais são as instituições que promovem as propagandas e projetos sociais de combate à violência doméstica retratando sempre a mulher como vítima e o homem como agressor, perpetuando na sociedade a (falsa) ideia de que a violência doméstica tem a mulher como vítima primária? Quem é que sempre combate os projetos que buscam coibir a violência contra homens com o "argumento" (ou seria falácia) de que não há dados sobre a violência contra homens, quando essa ausência de dados é fruto da mesma omissão que gera a ausência de leis, sendo, portanto, um pensamento circular? (como vez o CFÊMEA ao combater a inclusão do homem nas políticas de proteção em casos de violência doméstica). Quem é que realiza pesquisas de forma a distorcer dados intencionalmente com o propósito de omitir dados de homens vítimas com o intuito de receber mais apoio financeiro para suas ONGs de combate à violência contra a mulher? (sobre isso, é só ler os trabalhos de Murray Straus sobre como agem as pesquisas feministas e a séria "misandria na psicologia" de Tom Golden, que fala sobre o mesmo assunto). Quem é que ridiculariza homens que falam sobre seus problemas domésticos e sociais com expressões como "male tears", desencorajando-os a expressarem tais problemas? Quem é que difunde a imagem maniqueísta de "homens agressores X mulheres vítimas", perpetuando assim o senso comum e impedindo que homens vítimas de violência doméstica se identifiquem com o discurso de combate a tal crime, de maneira a parecer que seu problema não existe? Se o feminismo silencia homens vítimas de violência doméstica, ele tem, sim, culpa pela violência que eles sofrem. Parabéns, discursos como o seu me fazem

    ResponderExcluir
  56. Vocês feministas desonestos sempre tentam passar a ideia de que a violência sofrida pelo homem é diferente da violência sofrida pela mulher, mesmo sem nenhuma prova para tal afirmação. A única coisa que é ruim para o homem é essa doutrina ridícula e desprezível que o retrata sempre como agressor e opressor e à mulher sempre como vítima oprimida. Saibam que vocês não vão continuar enganando ninguém com essa falácia de que homens são beneficiados pelo feminismo, parem com essa mentira! eu prefiro mil vezes que uma feminista assuma que o feminismo é um movimento exclusivo de mulheres para mulheres do que essa tentativa absurda de convencer os homens de que o feminismo os beneficia. O feminismo não nos representa, e, se você não gosta que os homens discutam seus problemas fora do feminismo, o problema é seu, nós não vamos parar por isso! O feminismo não tem o monopólio das discussões sobre questão de gênero, quer vocês gostem quer não, e ninguém aqui vai se sentir obrigado a discutir violência doméstica ou qualquer outro tema ligado a gênero de acordo com a teoria feminista!

    ResponderExcluir
  57. "nesse mar de desigualdades e opressoes que sao imposto a elas." que não existem...

    ResponderExcluir